POMTE VELHA DO LUNHO DESTRUÍDA 1968:

CAPITÃO CARDOSO E O CAPITÃO SILVA SANTOS NA MIANDICA 1973:

MIANDICA 1973:

PISTA DO LUNHO:

O BOMBARDEIRO T.6:

MINAS DETETADAS E LEVANTADAS:

FURRIEL MIL.º SERAFIM AFONSO DO 2,º GRUPO DE COMBATE:

FURRIEL MIL.º MANUEL JORGE QUE COMANDOU A 2,ª COMPANHIA DE ENG.ª NA MIANDICA:

O SOUDOSO COMANDANTE DO 2.º GRUPO DE COMBATE ALFERES MIL.º CARVALHO DUARTE:

CAPELA DOS BIDÕES NO LUNHO:

AQUARTELAMENTO DE MALENA:

Ainda não há nenhum videoclipe

BERNARDINO PEIXOTO:

No dia  17 de Janeiro de 1972 (1.º Turno) assentei praça no Regimento de Infantaria n.º 13 em Vila Real de Trás -os-Montes.Ali eu enverguei pela primeira vês a farda de militar me deram o meu numero  017516/72 e fiz a minha recruta depois de jurar bandeira fui transferido para uma outra Unidade Militar para o Regimento de Infantaria n.º 2 em Abrantes.Ali eu andei durante seis  meses a tirar a minha especialidade de corneteiro ali eu fui molizado para a guerra para Moçambique.Fui transferido para o Regimento de infantaria n.º1 que se situava na Amadora onde me juntei à C.CAÇ.4141 OS GAVIÕES onde tive a preparação para a guerra.Em 12 de Novembro de 1972 abandonei a Unidade numa viatura do exército com destino ao aeroporto da Portela em Lisboa.Embarquei para o interior de um avião dos (T.A.M.) e tudo apostos o avião começou a  entrar na pista  em grande velocidade levantou eram 10 horas e 45 minutos rumo a Moçambique onde desembarquei na cidade da Beira no dia 13 de Novembro de 1972.A companhia foi dividida em dois escalões eu embarquei no dia 15 de Novembro de 1972 no 1.º escalão do comandante da companhia com destino a Nova Freixo.Fui parar a uma linda estação ferroviária onde se encontrava um velho comboio puxado a carvão e junto da locomotiva seguia um rebenta minas onde transportavam militares de G3.em riste fazendo o patrulhamento e  disparos com rajadas todo o trazeto porque sabiam que o comboio transportava uma companhia de checas.O comboio seguia em direção a Vila Cabral onde cheguei no dia 16 de Novembro de 1972.Feito o desembarque fui parar a uma Unidade Militar onde fui conduzido a uma caserna para descansar a viagem de comboio foi muito longa dei uma volta pela cidade e regressei para jantar uma refeição quente que não o fazia à muitas horas.No dia seguinte 18 de Novembro de 1972 se encontrava preparada uma coluna militar  para seguir viagem percorridos muitos quilómetros encontrei uma linda praia banhada pelo lago do Niassa que tinha o nome de Meponda onde ixistia um pequeno aquartelamento das nossas  tropas e um bonito areal onde eu descalsei as minha botas e fui para junto da água refrescar os meus pés que se encontravam suados e cansados de muitas horas de viagem.O pior estava para acontecer como o aquartelamento era bastante pequeno não tive direito alojamento me diriji para debaixo de um guarda sol redondo construído em palha onde me protegi um pouco do astro rei que se declinava suavemente como uma grande bola de fogo sobre o areal da linda praia.O astro rei já se escondia  no horizonte e chegava a hora do jantar! mais uma (ração de combate) que eu tinha de tragar para me manter em pé nos dias de firmamento e com as costas ao relento.Dormi com o meu esqueleto estendido naquele areal debaixo do guarda sol como me encontrava exausto e cansado o sono se apoderou de mim adormeci a ouvir as ondas daquele lindo lago batendo no areal da praia senti uma grande tristeza ao pensar que já estava muito longe das pessoas que eu mais amava.O dia amanheceu quando acordei abri os olhos e vi estacionada junto ao areal uma lancha da marinha enquanto não embarquei encontrei um refújio num recanto do areal pensando que a poucas horas eu estava dentro daquele veículo que me iria levar sem retorno.A ancora foi retirada e a lancha começou a baloiçar suavemente sobre o atapetado manto formado pelas águas do lago do Niassa seis horas de viagem me separava do destino via os meus camaradas debruçados sobre o tombadilho da lancha e eu observando a algazarra que recrudescia à medida que se apróximava do cais em Metangula.O desembarque naquele mesmo lugar o ar trépido estampado no meu olhar bem como a minha farda camuflada que eu envergava aída reluzente e ao ver aqueles soldados com o camuflado todo gasto e roto com latas de cerveja na mão nos dando as boas vindas.Em seguida o comandante da companhia capitão Mil.º António Cardoso ordenou que fosse feita uma formatura na parada de Metangula para seguir viagem numa coluna auto! feito o embarque subi para uma carroçaria de uma viatura senti naquele momento uma angústia quanto ao meu futuro contudo no meu intimo uma perene esperança confidenciou-me que o meu regresso seria uma incerteza .Passei por um aldeamento a quem lhe chamavam de Nova Coimbra um aldeamento com várias palhotas vi homens mulheres e crianças de raça negra e um aquartelamento onde se encontravam soldados da nossa tropa gritando bem alto "checa" é pior que "turra" ides para o Lunho ides para o mato a partir daquela zona fiquei surpreendido quando vi soldados apeados em frente às viaturas com uns paus e uns ferros espetados na ponta a fazer a picagem tentando detetar algum engenho explosivo.A reflugência do astro rei dexara de brilhar sobre a picada dando lugar a um menos crepúsclo que contrastava com lividez os nossos rostos pois era mais uma companhia que ia povoar as densas e sempre perigosas matas do Lunho.A coluna chega ao destino encontrei um aglomerado de  latas coberto de chapas de zinco e cercado por matagais no seu interior e exterior repleto de militares emprestava àquele ambiente um misto e policromo quadro irradiado das fardas camufladas onde o brilho das envergadas pelos "checas" acabados de chegar sobressaia das dos "Kokoanas" (velhos) já debotadas pelos muitos meses de uso.

Para quem não conheceu o Lunho ficava para lá para o fim do mundo! aquelas picadas cheiravam a trótil a destruição e a morte.Eu que me encontrava isolado ali perdido no meio do mato passou a ser o centro daquele aquartelamento onde só reinava o terror e o medo. 

Precisei de ideias frescas para bem poder reproduzir o que se passava e o que era o Lunho.Sim porque a minha inspiração era muito fraca naquele reino de escuridão e solidão.

Fui à Mepotxe no dia 29 de janeiro de 1973 fazer o assalto à base avançada. Um guerrilheiro da Frelimo que se entregou no posto de sentinela no dia 15 de fevereiro de 1973 fui preso pelo comandante de companhia num subterrânio fui evacuado com o paludismo num pequeno avião para o hospital do setor "A" Vila Cabral  andei a fazer proteção à eng.ª na Miandica vi matar um guerrilheiro da Frelimo pelo furriel Mil.º Raposo que era de operações especiais.

Aquela zona era muito  rica pois minas era mato Havia quem lhe chamava e bem; 

(O ESTADO DE MINAS GERAIAS)  

 

 

PONTE DO LUNHO 1972~.
COMPANHIA DE CAÇADORES 4141 OS GAVIÕES.

Ainda não há nenhum videoclipe